Make your own free website on Tripod.com

Página inicial           Fale Conosco

Pesquisas Escolares      

*Ciências
*História                               
*Geografia
*Português
*Matemática
*Curiosidades Matemáticas

Apostilas

*Word
*Excel
*Power Point
*Conceitos básicos
*Corel Draw 
*Accsess

Dicas de jogos
*Psone
*Playstation2
*Nintendo 64
*Xbox

*Ilusões de ótica

Jogos on-line

*Jogo do pingüim

 

Política do Café com Leite

»  Os principais estados que dominavam o conjunto da federação eram São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

» Em São Paulo e em Minas Gerais, as oligarquias estavam bem organizadas em torno de dois partidos políticos: o PRP (Partido Republicano Paulista) e o PRM (Partido Republicano Mineiro).

» A partir das coligações com as lideranças oligárquicas dos demais estados, São Paulo e Minas Gerais mantiveram o controle político do país durante toda a República Velha.

» São Paulo era o maior produtor de café e Minas o maior produtor de leite. Daí a denominação "República do Café com Leite"

» A eleição para Presidente de República era quase sempre uma farsa. Jogo de cartas marcadas pelas oligarquias. Antes das eleições os líderes políticos do PRP e do PRM se reuniam e depois chegavam a um acordo a respeito de quem seria o próximo presidente do Brasil.

»  Rompimento da política do café-com-leite:

         - Eleição de Hermes da Fonseca (1910)

Nas eleições de 1909 houve um 'racha'. Minas Gerais uniu-se ao Exército e ao Rio Grande do Sul (a terceira maior oligarquia do país) para apoiar a candidatura do marechal Hermes da Fonseca. O outro candidato, Rui Barbosa, para ganhar o apoio das classes médias, criou a 'Campanha Civilista'  e atacou o 'perigo militarista representado por Hermes'. Na disputa pelo roubo eleitoral venceu o militar Hermes da Fonseca (1910-1914), que através da 'Política das Salvações' interveio em alguns Estados promovendo a substituição de grupos oligárquicos por outros.

         - Aliança Liberal (1930)

O presidente Washington Luís rompe o acordo da política do café com leite, indicando como candidato a Presidência da República o paulista Julio Prestes, quando na verdade o candidato natural seria o mineiro Antonio Carlos de Andrade e Silva. As oligarquias dissidentes (especialmente de Minas Gerais) juntam-se ao Rio Grande do Sul e Paraíba, formam a Aliança Liberal e lançam o candidato Getúlio Vargas, contra Julio Prestes de São Paulo. Os resultados eleitorais dão a vitória a Julio Prestes, porém, a Revolução de 30 impede sua posse.